3.6.13

Viver.

Já parou para pensar que está vivo? Agora?

Segue uma reflexão que tive nos idos 14 e 15 de outubro de 2009 que, aliás, já passaram, já vivi.



14/10/2009
Os primeiros 30 minutos do dia 14/10/2009 já se passaram.
E o tempo vai passando. Ah, como ele passa. Sempre passa.
15/10/2009
Mas, também não é assim. Sentimos, vemos o tempo passando. Sim. Enquanto vivos vivemos e, conquanto racionais, dotados de sanidade, lembramos, interagimos, escolhemos, convivemos com o tempo.
O mais louco, contudo, é parar um momento nosso sistema, independentemente de lógica, e pensar: estou vivo e vivendo aqui e agora. Tente sentir isso, identificar a pureza e o mistério de viver. Não fazemos isso, apenas vivemos. Não temos que nos lembrar que tudo é real e realmente participamos entre nós, nós mesmos e tudo o que nos cerca. 
        E qual o sentido da vida? É aquele que você dá a ela, suas escolhas, caminhos, objetivos, sonhos, esperanças e, é claro, o amor sempre, sempre torna tudo mais fácil. Amar e ser amado facilita qualquer maior divagação.
Engraçado, não fiquei chocado como ficava antes. Não achei esquisito parar e perguntar: “uau, estou vivendo?” Será que estou mais maduro? Entendi o sentido da vida? Será? Não. Devo estar com sono. Ainda nem terminei meu café.

MCP

7 comentários:

  1. Alguns dias passam no automático... momentos que sentimos o mundo a nossa volta, a vida dentro e fora de nós são ótimos. Adorei a foto! Bjos

    ResponderExcluir
  2. ow, cria seu próprio blog ae, rs
    valeu Vá. Belo comentário, meu amor.

    ResponderExcluir
  3. rsrs, sou leitora, meu amor, vc é o escritor =D

    ResponderExcluir
  4. Achei que fosse só no caderno Dr. rsrs
    Parabéns pelo blog. Ótimo texto.
    Abraços
    ass. Raphaell Bráz

    ResponderExcluir
  5. Que bom que gostou Raphaell. Volte sempre. Abraço, Piero.

    ResponderExcluir
  6. Sobre se existe um destino a cada um de nós, eu arrisco dizer que sim. E não vejo um mau nisso. Sentimos para aonde devemos ir (eu sinto) e qualquer lugar diferente não nos satisfará, além de ser inóspito e de passagens tortuosas.

    O fim não nos é informado e não adianta procurar saber antes da hora. Também não vejo problema com isso. Afinal, qual a graça de saber o final de uma história? E todo o processo cuidadosamente planejado, toda a trama, todo o suspense?!

    Então, meu caro, larga a mão e viva. Siga seus sentimentos, intuições (ah, você tem) e coragem. Coragem.

    O final virá. Sem ansiedade.

    ResponderExcluir
  7. “– Um belo futuro?... Olhe, meu amigo, até hoje ainda me não vi no meu futuro. E as coisas em que me não vejo, nunca me sucederam.
    Perante tal resposta, esbocei uma interrogação muda, a que o poeta volveu:
    – Ah! sim, talvez não compreendesse... Ainda lhe não expliquei. Ouça: Desde criança que, pensando em certas situações possíveis numa existência, eu, antecipadamente, me vejo ou não me vejo nelas. Por exemplo: uma coisa onde nunca me vi, foi na vida – e diga-me se na realidade nos encontramos nela? (...)” (Mário de Sá-Carneiro, 1890-1916, A confissão de Lúcio. São Paulo: Martin Claret, 2006, p. 43)

    ResponderExcluir

Ou: pi_cap@hotmail.com

Obrigado.